A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por Nimitz em Sab Jun 12, 2010 4:17 am

A HISTÓRIA SEM FIM - 1984



IMDb: 7,4 http://www.imdb.com/title/tt0088323/

Sinopse:
Bastian (Barret Oliver) é um garoto que usa sua imaginação como refúgio dos problemas do dia-a-dia, como as provas do colégio, as brigas na escola e a perda de sua mãe. Um dia, após se livrar de alguns garotos que insistem em atormentá-lo, ele entra em uma livraria. Lá o proprietário mostra um antigo livro, chamado A História Sem Fim, o qual classifica como perigoso. O alerta atiça a curiosidade de Bastian, que pega o livro emprestado sem ser percebido. A leitura o transporta para o mundo de Fantasia, um lugar que espera desesperadamente a chegada de um herói. A imperatriz local (Tami Stronach) está morrendo e, junto com ela, o mundo em que vive é aos poucos devorado pelo feroz Nada. A única esperança é Atreyu (Noah Hathaway), que busca a cura para a doença da imperatriz com a ajuda de Bastian.









Ficha Técnica

* título original: Die Unendliche Geschichte
* gênero: Aventura
* duração: 01 hs 42 min
* ano: 1984
* estúdio: Warner Bros. Pictures / Bavaria Studios / Neue Constantin Film / Westdeutscher Rundfunk / Producers Sales Organization
* distribuidora: Warner Bros. Pictures
* direção: Wolfgang Petersen
* roteiro: Herman Weigel e Wolfgang Petersen, baseado em livro de Michael Ende
* produção: Bernd Eichinger, Dieter Geissler e Bernd Schaefers
* música: Klaus Doldinger e Giorgio Moroder
* fotografia: Jost Vacano
* direção de arte: Johann Iwan Kot, Herbert Strabel e Götz Weidner
* figurino: Ul De Rico e Diemut Remy
* edição: Jane Seitz
* efeitos especiais: Industrial Light & Magic


Elenco
* Barret Oliver (Bastian)
* Gerald McRaney (Pai de Bastian)
* Thomas Hill (Koreander)
* Deep Roy (Teeny Weeny)
* Moses Gunn (Cairon)
* Noah Hathaway (Atreyu)
* Alan Oppenheimer (Falkor / G'mork)
* Sydney Bromley (Engywook)
* Patricia Hayes (Urgl)
* Tami Stronach (Imperatriz Criança)

Nimitz
Farrista Cheio de Guéri-Guéri
Farrista Cheio de Guéri-Guéri

Mensagens: 113
Data de inscrição: 10/06/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por El Viento em Seg Jun 14, 2010 3:45 pm

Legal, mas nenhuma informação curiosa ou uma análise sua?
Diga-nos o que achou...

Abraço!!

El Viento
Arrafista sem medo de nada
Arrafista sem medo de nada

Mensagens: 73
Data de inscrição: 11/06/2010
Idade: 24
Localização: São Paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

CRÍTICA DE QUEM LEU O LIVRO

Mensagem por Nimitz em Qua Jun 16, 2010 11:17 pm

Notável que eu tenha demorado tanto para ler A História Sem Fim, de Michael Ende. Notável também que se fale tão pouco dele e de seu livro. Quase todo mundo viu a versão para cinema, de 1984, de Wolfgang Petersen, que é um filme certamente encantador.

Facilmente, dando uma busca na internet, encontra-se o termo “A História Sem Fim” a associado a outros tais como “marcou minha infância”, referindo-se ora ao filme ora ao livro. É a história do menino Bastian Baltasar Bux que lê um misterioso livro que roubou de uma ainda mais misteriosa livraria. Ele – vivido por Barret Oliver, na época um jovem ator e hoje fotojornalista (fonte) – se vê tomar parte da história que lhe é narrada, salvando um mundo chamado Fantasia que, então, corre o risco de ser destruído por uma entidade chamada O Nada.
O filme

Mas garanto: o filme está muito abaixo do proposto por Ende. Tanto que, se o artigo da Wikipedia não estiver errado, ele processou a produção e, embora tenha perdido, conseguiu que tirassem seu nome dos créditos.

Apesar disso, repito, o filme é encantador – se quiser matar a saudade ou tiver curiosidade, há sites com cenas, fotografias e outros materiais.

Não são os efeitos visuais limitados da época que o colocam abaixo do esperado. Não é esse o motivo. Acontece que o roteiro tinha uma terrível tarefa e não conseguiu transmitir toda a força da mitologia criada por Ende. E eu, que costumo relevar quando a tela deixa de seguir a risca o que está na página, preciso admitir. Nesse caso fez diferença.

Ainda que, como os fãs de Ende querem, A História Sem Fim tenha direito a uma produção à altura de sua magnitude – a exemplo do que aconteceu com O Senhor dos Anéis, de Tolkien – é exigir demais de qualquer diretor a reprodução do poder que mora nas páginas desse livro.

Na verdade, isso vale para qualquer livro. Mas nesse caso, façamos um trato e elevemos esse teorema de impossibilidade à terceira ou à quarta potência.
Atreiú e Gmork na cidade abandonada

Como traduzir para os fotogramas o momento quando Atreiú – herói da história que Bastian lê – encontra Gmork, personificação do Nada, disposto a matá-lo, em uma cidade em ruínas?

Não há como reproduzir o diálogo a um só tempo filosófico, claro e simples – lembre que trata-se de um livro para “crianças” – sem se tornar enfadonho no cinema.

Os dois debatem, nessa hora, num diálogo em que rondam a morte e a desintegração – tal como quando Hamlet encontra a caveira de Yorick – sobre o que seria o Nada e como os seres de Fantasia ao serem consumidos por ele, indo ao mundo dos homens, se transformam em mentiras. Diz Gmork:

- Calma, pequeno louco, rosnou o lobisomem. Quando chegar a sua vez de saltar para o Nada, você se transformará também num servidor do poder, desfigurado e sem vontade prórpia. Quem sabe para o que vai servir. É possível que, com sua ajuda, se possam convencer os homens a comprar o que não necessitam, a odiar o que não conhecem, a acreditar no que os domina ou a duvidar do que os podia salvar. Por seu intermédio, pequenos seres de fantasia, fazem-se grandes negócios no mundo dos homens, desencadeiam-se guerras, fundam-se impérios…

Como é o caso do amor à terra natal, quando pervertido pelas tendências nacionalistas. Note que Ende é um dos autores de maior sucesso do pós-guerra na Alemanha.

Esse capítulo em especial é uma espécie de síntese do livro que, além de divertir, é claro, mostra como facilmente deixa-se de acreditar nas fantasias e passa-se a acreditar com ainda maior facilidade em mentiras.

A história de Ende demonstra assim como esses dois processos estão ligados.
Para voltar a esse tema, mas com uma outra abordagem, uma boa pedida é o livro de Salman Rushdie, Haroun e o Mar de Histórias, que foi uma forma de o escritor indiano explicar ao filho por que perdeu a liberdade de expressão.
A música tema

A música tema – que pode ser ouvida neste artigo sobre filmes da década de 80 – é inesquecível, apesar do teclado e dos arranjos característicos daquela época. Tenha um pouco de paciência com a bateria de karaokê porque a letra e a melodia demoram para começar. Muitos, como eu, sonharam voar sobre as nuvens, e sob essa melodia, nas costas do dragão da sorte Fuchur (no filme, chamado de Falkor).
A força das imagens

As imagens de Michael Ende são fortes. Elas se concretizam por assim dizer. O infinito e o eterno têm representações marcantes, dignas de um registro de Borges, escritor obcecado por esses temas.

Veja por exemplo a descrição das Montanhas do Destino:

Nesta região não se aventuravam nem os mais ousados alpinistas. Ou melhor: já fazia tanto tempo que ninguém as conseguia escalar, que ninguém se lembrava mais de quando isto acontecera pela última vez. Pois essa era uma das muitas leis imcompreensíveis de Fantasia: as Montanhas do Destino só podiam ser conquistadas por um alpinista quando aquele que o fizera pela última vez tivesse sido completamente esquecido e quando já não existisse nenhuma inscrição em pedra ou metal que desse testemunho do seu feito. Por isso, quem conseguisse levar a cabo tal proeza seria sempre o primeiro.

Uma idéia simultaneamente bela e angustiante. Aniquila qualquer desejo ou possibilidade de posteridade sem, no entanto, ser niilista. A história é cheia de coisas desse gênero.
Ação e descrição

Quando Ende descreve, você vê, você enxerga, e tais descrições, dinâmicas, se materializam nos olhos do leitor. Por outro lado, as passagens com mais ação não ficam borradas ou por demais estáticas. As letras têm movimento. E há muita ação.

Todo leitor, como se sabe, é uma espécie de cego e depende do bom trabalho do escritor, que serve de guia, assim como Virgìlio o foi para Dante na Divina Comédia. O escritor não deve deixar seu leitor perdido ou desorientado. Isso é o mínimo. Mas quando o passeio se torna divertido, saímos do terreno dos guias turísticos e entramos no território da Literatura com L maiúsculo, volutas e detalhes em dourado.
Uma curiosidade

Uma curiosidade, para quem ainda não leu o livro, é que os momentos em que as coisas ocorrem no mundo de Fantasia – isto é, quando lemos o que Bastian lê – as letras têm uma cor. Quando ocorrem no mundo de Bastian – e lemos o que ele não lê -, têm outra.

É mais ou menos o que acontece quando encontramos esse livro. Antes, o mundo tem uma cor. Depois, outra. Esse é o poder dos grandes livros. Transformar o mundo.

Não o mundo todo, mas o que está a nossa volta.

A não ser que o Nada já tenha nos tocado.

FONTE: http://livroseafins.com/a-historia-sem-fim-de-michael-ende-e-o-poder-intraduzivel-dessa-narrativa/

Nimitz
Farrista Cheio de Guéri-Guéri
Farrista Cheio de Guéri-Guéri

Mensagens: 113
Data de inscrição: 10/06/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por Nimitz em Qua Jun 16, 2010 11:25 pm

El Viento escreveu:Legal, mas nenhuma informação curiosa ou uma análise sua?
Diga-nos o que achou...

Abraço!!
El Viento, o filme faz parte de minhas memórias infantis, sempre que posso revejo essa obra, não sei se é só o saudisismo, mas para mim é um excelente filme, gostei da fotografia, do enredo, dos efeitos especiais (lembre-se é um filme de 26 anos atrás), e o que dizer mais de um sucesso absoluto de público que se tornou um clássico instatâneo quando foi lançado na europa.

Nimitz
Farrista Cheio de Guéri-Guéri
Farrista Cheio de Guéri-Guéri

Mensagens: 113
Data de inscrição: 10/06/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por Convidad em Qui Jun 17, 2010 11:23 am

Filme espetacular........

Todo mundo precisa ter ele na sua prateleira..........

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por volpi em Qui Jun 17, 2010 3:42 pm

Estu na lista dos "esse filme marcou a minha infância", morria de medo do lobo(Gmork) e, não lembro, mas devo ter chorado junto quando o cavalo cai no atoleiro.

volpi
Farrista das mil e uma noites
Farrista das mil e uma noites

Mensagens: 1258
Data de inscrição: 10/06/2010
Idade: 31
Localização: Santa Maria/RS

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por Convidad em Qui Jun 17, 2010 6:43 pm

Marcou totalmente a minha infância. De uma singeleza incomparável e claro, um clássico extremamente bem produzido. O diretor, Wolfgang Petersen, nos entrega um filme infantil com ótima fotografia, dando aquele ar típico do gênero, que não pode ser construído de outra forma. Maravilhoso.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por marcelo l. em Qui Jun 17, 2010 8:48 pm

Nimitz e quem leu o livro, o filme é maravilhoso, pergunta vale a pena dar de dia das crianças para um garoto de 12 anos que gosta de livros?

marcelo l.
Estou chegando lá
Estou chegando lá

Mensagens: 5318
Data de inscrição: 15/06/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por Convidad em Sex Jun 18, 2010 5:03 pm

Tenho esse filme de uma edição de uma revista
péssima imagem, mas dá para matar a saudade.
Mas agora fiquei curiosa e vou atrás do livro.
Valeu Nimitz

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por fabiola_a9 em Sex Jun 18, 2010 11:06 pm

nossa depois desse texto do Nimitz vou atrás do livro com certeza!Very Happy

fabiola_a9
Farrista "We are the Champions"
Farrista

Mensagens: 6406
Data de inscrição: 10/06/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A HISTÓRIA SEM FIM - 1984

Mensagem por Convidad em Qui Nov 18, 2010 2:41 pm

volpi escreveu:Estu na lista dos "esse filme marcou a minha infância", morria de medo do lobo(Gmork) e, não lembro, mas devo ter chorado junto quando o cavalo cai no atoleiro.

Acho que esse filme marcou a infância de muitas pessoas.
Eu chorei quando o cavalo morreu no pântano, se não me engano era porque esse pântano deixava as pessoas tristes e sem vontade de viver, algo assim, por isso o cavalo nem tentou sair...


Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum