30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Mensagem por Thiago A.P. em Dom Fev 05, 2012 3:49 pm

A lista está em ordem alfabética, não achamos justo que tantos estilos e talentos diferentes fossem listados de forma competitiva, por isto, apenas citamos os nomes dos "guitar heroes" brasileiros e falamos um pouco sobre cada um deles. Veja n lista abaixo quem são as feras.


Andre Christovam
André Christovam é considerado um dos pais do Blues no cenário muscial brasileiro, além de ser considerado um dos melhores guitarristas do país. Nascido em São Paulo, André estudou música no renomado Guitar Institute of Los Angeles (GIT) nos anos 80, tornando-se o primeiro brasileiro a formar-se nesta escola.
Ao retornar ao Brasil, em meados dos anos 80, André trabalhou com os mais importantes artistas brasileiros e internacionais em passagem pelo Brasil, participando de bandas como Golpe de Estado, Kid Vinil, Heróis do Brasil, Rita Lee e Roberto de Carvalho, Raul Seixas e Marcelo Nova. No final dos anos 80, André decide gravar seu primeiro trabalho solo com o álbum "Mandiga", em 1989, um álbum marcante a discografia do blues nacional, principalmente pelo ineditismo de trazer um disco de blues com todas as músicas em português.
Na década de 90, o guitarrista participou da turnê "Taj Mahal's and Sugar Blue's", nos Estados Unidos e gravou um CD em Chicago "The 2120 Sessions" com o vocalista "Big Voice" Odom e membros da banda de Junior Well
Atualmente, André conta com cinco álbuns de sua autoria sendo que seu último trabalho, "Banzo", foi gravado pelo selo Eldorado.



Andre Zaza Hernandes
André Hernandes nasceu em São Paulo, no dia 18 de novembro de 1970. O contato e o interesse pela música vieram cedo. Sua infância foi marcada pelas rodas de samba e choro organizadas por seu avô, seu pai e seus tios; entre seus passatempos preferidos estava assistir aos ensaios da Orquestra Azul, banda de seus primos mais velhos que tocava clássicos da Mahavishny Orchestra. Aos 9 anos, gastava toda a sua mesada comprando discos dos Beatles. Foi nessa época que veio o interesse em aprender a tocar um instrumento. Ganhou seu primeiro violão, presente de seu pai escolhido com a ajudo do seu tio Nardo (renomado violonista de sete cordas). Vieram as primeiras aulas de violão com uma professora do bairro.
Mas foi aos 11 anos, assistindo ao último bloco do Som Pop (programa de vídeo clip da época) quando viu um especial do Van Halen ao vivo (Turnê Fair Warning) que decidiu tocar guitarra. Passou a ouvir bandas de rock pesado, deixando um pouco de lado o violão choro/samba herdado de seus tios e avô. Então aos 13 anos, após ter trabalhado um ano em uma farmácia fazendo entrega de remédios, conseguiu juntar dinheiro para comprar sua primeira guitarra: uma Giannini SG, um amplificador Giannini Bag (“baguinho”) e um pedal de distorção sem marca! Nesta mesma época começou a ter aulas de guitarra passando por vários professores, até que um amigo indicou o professor Michel Perie que foi quem o ensinou os conceitos de harmonia, improvisação e técnica de forma didática e organizada. Já levava a sério os estudos de guitarra, passando várias horas por dia estudando e tentando tocar Van Halen e Randy Rhoads.
Com 15 anos, depois de ouvir o disco Rising Force (primeiro álbum de Yngwie Malmstteen), decidiu entrar numa disciplina de tocar de oito a nove horas por dia porque queria tocar como Malmstteen. Nessa rotina de estudos surge o inWteresse por música instrumental e nos anos seguintes passa a pesquisar este estilo musical, conhecendo nomes como: Joe Satriani, Steve Vai, Steve Morse, Vinnie Moore, Greg Howe, Jeff Beck, etc... Aos 17 anos, num show do Trielo (trio de guitarras com play-back), André viu pela primeira vez o guitarrista Mozart Mello tocar. Na mesma hora quis ter aulas com ele... Aí começou uma “pequena batalha” pra conseguir uma vaga com o mestre, já que sua lista de espera era muito longa. Foi a vários shows, ligava toda semana atrás de uma vaga...
Até que um dia Mozart disse que iria ministrar um curso de harmonia no Conservatório Souza Lima. O curso foi tão puxado que começou com doze alunos e terminou com apenas dois. Então Mozart decidiu abrir vagas para que esses dois alunos que conseguiram terminar o curso continuassem tendo aulas com ele. Foi assim que André conseguiu sua vaga com o mestre e ficou tendo aulas por cinco anos. Mozart o incentivou a se aprofundar em outros estilos como jazz, blues, fusion e mpb. Gêneros que, junto ao rock, o ajudaram a formar sua identidade musical. Nessa mesma época André começa a tocar profissionalmente passando por bandas de cover como Billy Idol, Guns’n’cover, U2 e até um Dave Lee Roth cover!... Sua trajetória como professor se iniciou também aos 17 anos quando começou a dar aulas para alguns amigos e logo já estava dando aulas em escolas de música, tornando-se um professor conceituado com vasto material didático. Atividade que exerce há 18 anos, sem deixar de lado os estudos e constantes pesquisas. A fim de sempre aperfeiçoar sua didática e sua identidade musical que consiste em misturar estilos e ritmos de forma coesa, buscando uma personalidade em sua linguagem.
Atualmente dedica-se ao ensino de guitarra, dando aulas a vários guitarristas atuantes no mercado como Rafael Bittencourt e Hugo Mariutti. Grava guitarras e violões para estúdios em São Paulo (principalmente áudio publicitário). Toca nas bandas: Radiofonics (cover Pop/rock), Latin Lovers (cover musica latina) e Sunsarah (música própria) e tem um trabalho instrumental auto-intitulado que lançou recentemente em um cd, Atualmente é Membro Fixo Da Banda Do Cantor Andre Matos.



Andreas Kisser
Se interessou por música logo cedo, aos 10 anos de idade, escutando os discos da mãe e do pai, como Beatles, Roberto Carlos e basicamente sertanejos como Tonico e Tinoco por parte de seu pai. Com o violão da avó, aprendeu os acordes principais através da MPB. Pela influência de um amigo mais velho, conheceu o Queen e o Kiss, o que revolucionou toda a sua maneira de encarar a música. Comprou sua primeira guitarra (Giannini-Supesonic) e um pedal de distorção.
Então Andreas formou sua primeira banda, a ESFINGE e teve grande repercussão na região do ABC paulista na metade da década de 1980. Só tocavam covers e isso foi uma grande escola, tocando desde Whitesnake até Venom. No começo de 1987, entrou para o Sepultura, se mudando para Belo Horizonte e começando uma carreira única na história da música brasileira. Junto com Max Cavalera, Igor Cavalera e Paulo Jr., conquistaram o mundo, viajando pelos quatro cantos, divulgando um pouco mais a cultura brasileira através da música pesada.
Andreas continua com o Sepultura, agora com Derrick Green nos vocais e também se lançou no mundo do cinema fazendo duas trilhas sonoras. A primeira foi feita em 1998, para o filme No Coração dos Deuses, direção de Geraldo Moraes, com Antonio Fagundes, Roberto Bomfim, dividindo a música com Igor Cavalera e André Moraes. A segunda foi feita em 2002 para o filme Bellini e a Esfinge, direção de Robertyo Santucci, com Malu Mader, Fábio Assunção, baseado num livro de Tony Bellotto e junto à este dividiram a trilha com Charles Gavin e Eduardo Queiróz, também participou junto com o Sepultura e André Moraes da trilha do filme Lizbela e o Prisioneiro regravando uma música de Zé Ramalho, "A Dança das Borboletas", contanto com a participação do próprio músico. Também produziu o disco Cheque Mate da banda paulista Necromancia que saiu em 2001, e produziu o disco Intro da banda Lagunna, que foi lançado em 2005.
Criou em 2003 o projeto Brasil Rock Stars em que toca o repertório que o influenciou a ser guitarrista, bandas como Black Sabbath, Deep Purple, Led Zeppelin, Cream, Jimi Hendrix, Beatles, Rolling Stones, AC/DC entre outra, junto de Paulo Zinner (bateria), Vasco Faé (vocais, gaita), Robson Rocco (vocais), Silvio Alemão (baixo), Daniel La Torre (teclados) e Theo Werneck (vocais, guitarra). Sempre contando com convidados muito especias como: Caetano Veloso, Samuel Rosa (Skank), Paralamas do Sucesso, Tony Bellotto e Charles Gavin (Titãs), Igor Cavalera, Paulo Jr. e Derrick Green (Sepultura) Bocato, Nando Reis, Edgard Scandurra e Nasi (Ira!), Junior Lima, Luis Carlini, Frejat, Ivo Meirelles e Funk 'n' Lata, George Israel, Clemente (Inocentes), entre outros. Esse projeto ja se apresentou em várias casas de shows em São Paulo capital e interior, Rio de Janeiro, entre outros lugares. Desse projeto, nasceu uma variação que foi batizada de "Andreas Kisser Embromation Society" que conta com Theo Werneck e a dupla, Vasco Faé e Fabio Azeitona (percussão) aonde tocam o mesmo repertorio do Brasil Rock Stars junto com algumas músicas do repertório de Vasco e Azeitona, com uma pegada mais infuenciada pelo blues. Se apresentam periodicamente na noite Paulistana.


Armandinho
Armando da Costa Macedo, conhecido como Armandinho, (Salvador, 22 de maio de 1953) é um instrumentista, cantor e compositor brasileiro, nascido na Bahia. É filho de Osmar Macedo, do Trio Elétrico de Dodô e Osmar. Formou o Trio Elétrico Mirim em 1962. Em 1967, formou a banda de rock Hell's Angels, no qual tocava guitarra.
Na década de 1970, Armandinho (guitarras, vocal) formou o conjunto A Cor do Som, ao lado de Dadi (baixo e vocal), Mú Carvalho (teclados e vocal), Ary Dias (percussão e vocal) e Gustavo Schroeter (bateria). A banda se notabilizou pela alta qualidade instrumental, mesclando sonoridades de rock, jazz e música brasileira. Apresentaram-se no Festival de Jazz de Montreux e alcançaram grande sucesso popular com canções como "Beleza pura" (Caetano Veloso), "Abri a porta" (Gilberto Gil - Dominguinhos), "Zanzibar" (Armandinho - Fausto Nilo), etc.
Ao longo das décadas seguintes, Armandinho tem dado continuidade a seu trabalho instrumental (guitarra, violão, bandolim, etc.), gravando e se apresentando ao lado de músicos como Raphael Rabello, Paulo Moura, Época de Ouro, Moraes Moreira, Pepeu Gomes, Caetano Veloso, Trio Elétrico de Armandinho, Dodô e Osmar, entre outros.


Dino Rangel
Dino Rangel apresenta seu 2º cd com participação dos músicos Márcio Bahia(bateria), Zé Canuto(sax, flauta e arranjos), Mazinho Ventura(baixo), Marcos Nimrichter(piano e acordeon), David Feldman(piano), Ney Conceição(baixo) e Beth Bruno(vocal); com composições de autores como Guinga, Tom Jobim, Garoto, Dori Caymi, Victor Assis Brasil, o cd do guitarrista passeia pelo samba, choro, toada, baião e frevo. Dino homenageia o cronista Rubem Braga(As Boas Coisas da Vida), com o título “Partir...Voltar”, sugerindo como no título do livro, uma das melhores coisas da vida, numa alusão a música de improvisação, ou seja, partir, improvisar, viajar, depois voltar fazendo com que toda essa “viagem”(improviso) faça sentido.
Dino estudou com Sergio Benevenuto e Yan Guest, pouco tempo depois foi pra Nova lorque tocando com grupos brasileiros e também ter aulas com guitarristas de jazz, regressando ao Brasil em 1991, dando início à carreira profissional.
Participou dos grupos Suzete Drinks, Palha de Milho, Saloon&Cia; acompanhou a cantora Beth Bruno e o cantor e compositor Fred Martins. Em 1994, excursionou por vários países da Europa com o grupo Brasiliana. Participou de shows e gravações com Watusi, Vanessa Barum, Marvio Ciribelli, Felicidade Susy, Bia Bedran, Baby do Brasil, Ithamara Koorax, Keiko Omata, Ednardo; na música instrumental atuou ao lado de Guinga, Léo Gandelman, Arthur Maia, Marcelo Salazar, Jorge Pescara, PC Barros, Rogério Souza, Zé Canuto.
Em 1998 estréia seu primeiro disco solo pelo selo Niterói Discos, assinando a metade das dez faixas do CD "Café", enquanto o trompetista Luisão Ramos fornece três composições. Tom Jobim e Peter Pan ganham inspiradas releituras de "Antígua" e "Se queres saber", respectivamente. Acompanhado por músicos como Arthur Maia, Zé Canuto, Márcio Bahia, Marcos Nimrichter e Cláudio Infante, entre outros, Dino também é o arranjador da maioria das faixas gravadas no Castelo Studio. Como curiosidade, vale registrar que a faixa "Even Eight", gravada em 1990, em Nova lorque, conta com os teclados de Edward Simon, o baixo de Paul Socolow e a bateria de Zach Danziger.
Em 2001 participa do cd “JAZZ FROM BRASIL”, compilação do jornalista e produtor Arnaldo DeSouteiro, com a faixa ANTÍGUA (Tom Jobim), junto de Eumir Deodato, Cláudio Roditi e Ithamara Koorax, lançado no Japão, Europa e EUA, indicado para o GRAMMY como melhor álbum Latin Jazz. Participa da compilação do 6º “Compasso, Samba & Choro”(2003) da gravadora Biscoito Fino. Foi selecionado em 2º lugar no edital da Niterói Discos(2006) ao lado de Ronaldo do Bandolim, Rogério Souza e Luiz Alves, para gravar seu 2º cd solo.


Edgard Scandurra
Edgard José Scandurra Pereira (São Paulo, 5 de fevereiro de 1962) é um guitarrista e compositor brasileiro, integrante da banda de rock Ira!. Scandurra está hoje muito mais ligado à música eletrônica do que ao rock.
Ex-integrante da banda Ultraje a Rigor, Edgard, que é canhoto, é um dos maiores guitar heroes brasileiros. Já fez diversas participações especiais com grandes nomes nacionais como Kid Abelha, Vange Milliet, Ultraje a Rigor e Os Paralamas do Sucesso.
No começo dos anos 80, Scandurra fazia parte e gravou com a banda Smack dois álbuns (Ao Vivo No Mosh e Noite e Dia). Após o final do Ira!, voltou a gravar um EP com a banda, lançado em 2008 com o título 3.
Tem dentre seus trabalhos solos, Amigos Invisíveis e também Benzina. Lançou em 2006 o álbum Amor Incondicional.
Gravou a guitarra de diversos álbuns do parceiro Arnaldo Antunes, além de terem lançado em 2009 o álbum Pequeno Cidadão, voltado para o público infantil, com a parceria adicional de Taciana Barros e Antonio Pinto.


Eduardo Ardanuy
Nascido em 20 de junho de 1967,Eduardo Ardanuy possui um currículo invejável. Considerado um dos melhores guitarristas do País, eleito tanto pelo público como pelas melhores revistas especializadas, é um modelo a ser seguido tanto pelos iniciantes como para aqueles que já possuem algum know-how no mundo da guitarra. Já participou de bandas como: A Chave do Sol, Anjos da Noite, Supla, Eduardo Araújo, e desde 1992, junto de Andria e Ivan Busic, a banda Dr. Sin, da qual faz parte até hoje.
Com a banda Dr. Sin participou de grandes eventos como: Hollywood Rock, Monsters of Rock, M 2000 - Summer Concert, abrindo shows de grandes nomes do rock como: Ian Gillan, AC/DC, Dream Theater, Mr. Big, Steve Vai, Joe Satriani, Yngwie Malmsteen, Bon Jovi, entre outros.
Em 1998, junto com outros dois grandes guitarristas, Frank Solari e Sérgio Buss, montou o projeto instrumental TRITONE do qual foi gravado o CD "Just For Fun (and maybe some money...)" e também realizando shows pelo País.
No mesmo ano, em uma votação feita por 200 guitarristas brasileiros e organizada pela revista Guitar Player Brasil, foi eleito um dos dez melhores guitarristas do País onde pode ser conferido no CD produzido pela revista Guitar Player, junto a outros grandes nomes da guitarra brasileira.
Em setembro de 2000 o Dr. Sin lançou o álbum Dr. Sin II que contava com a participação de um novo integrante, o vocalista americano Michael Vescera (ex - Loudness, famosa banda japonesa e ex-Yngwie Malmsteen). Michael Vescera permaneceu na banda por um ano, fazendo ao lado de Edu Ardanuy, do trio um poderoso quarteto.
Retornando a formação original, como Power Trio em 2003, o Dr. Sin lançou o 1º material oficial em vídeo, um DVD onde a banda comemora 10 anos de existência e muito rock'n roll.
Após o sucesso do álbum de covers Listen to the Doctors, o Dr. Sin lança o álbum Bravo que vem sendo sucesso de vendas, estando em primeiro lugar de vendas da gravadora Century Media.
Edu Ardanuy também é muito popular como professor de guitarra, já lecciona há mais de quinze anos e vem ministrando aulas e workshops por todo País.


Faíska
Apesar de ser um excelente guitarrista, Faíska é pouco conhecido da mídia nacional. Um pouco de sua história: Faíska iniciou sua carreira na banda de rock "Zhappa" que fazia muito sucesso nas domingueiras de clubes da década de 70 e durou até meados de 1979. Ele adorava essa banda porque lá podia tocar músicas de seus ídolos mais influentes como Ritchie Blackmore, Jeff Beck e Johnny Winter. Foi também nessa época que começou a fazer suas primeiras gravações em discos de cantores famosos.
Após esse período, Faiska ingressou na Joelho de Porco, famosa banda de rock de São Paulo que tinha como fundador o baixista Tico Terpins, que por sua vez era proprietário do estúdio Áudio Patrulha que seria conhecido mais tarde como o estúdio "A Voz do Brasil", onde Faiska conheceu Zé Rodrix que sempre o escalava para participar de gravações de trilhas e jingles para rádio e TV trazendo-lhe uma vasta experiência no ramo.
Foi nesse estúdio que Faiska gravou também o primeiro disco do grupo Tóquio, antiga banda de Supla; gravou a música "Voltei pra Você", trilha de uma novela da rede Globo, do compositor, cantor e pianista João Paulo que se tornou um grande amigo e parceiro musical; gravou o disco "Serpente Rara" de Cida Moreira com quem Faiska trabalhou por alguns anos e também gravou o primeiro disco da banda "Ponto Chic".
Esta banda tinha como integrantes o baixista Celso Pixinga, o baterista Albino Infantozzi e o pianista Luíz Lopes, isso tudo sem contar a participação de grandes músicos como Manito ( ex-Incríveis),da banda Metalurgia e Mozart Mello.( Outro grande guitarrista).
Já fascinado pela música instrumental entrou na banda "Zona Sul" que era formada pelos seus amigos já citados anteriormente, Álvaro, Rubinho, Pixinga e o baterista Carlinhos Bala que tocavam grandes clássicos populares dos Beatles, Spiro Gira, Joe Cocker com arranjos funkeados e um toque muito pessoal. Passaram por este grupo também os bateristas Eduardo Viana, Maguinho, Fernando Gonçalves, os baixistas Pedro Ivo, Leandro, Aurélio e Nadinho, os guitarristas Mozart Mello(grande mestre) e Jarbas Barbosa. O ápice da banda foi a participação e o título de Melhor Interpretação da música "Verdejar" de autoria de Rubinho Ribeiro no Festival Globo Shell de 1985.
Depois disso, a banda acabou se dissolvendo devido aos compromissos profissionais dos músicos que, na sua maioria, foram trabalhar como side-man de cantores nacionais.
Nesses mesmos anos 80 havia uma efervescência de bares na cidade de São Paulo e Faiska trabalhou como free-lancer tocando todos os dias com bandas de diferentes estilos: rock, country, jazz e blues.
Foi nessa época que Faiska conheceu o guitarrista Robertinho do Recife que o convidou para substituí-lo na banda do cantor Raimundo Fagner.


Fernando Noronha
Fernando Noronha toca com a banda Black Soul desde janeiro de 1995. Nesses anos de carreira, já gravaram 6 discos e se apresentaram em Festivais e Clubes de Blues ao redor do mundo, levando sua música para países como Argentina, Chile, Bélgica, Holanda, Alemanha, Espanha, Canadá, Suíça e Áustria.Trabalharam ao lado de nomes como B.B. King, Buddy Guy, Jeff Healey, Coco Montoya, Chris Duarte, Ron Levy e Phil Guy, entre outros
Mas é em cima do palco que FN&BS tem levado muita música e diversão aos locais em que tem se apresentado. Com seu "electric blues" contemporâneo, o grupo tem conquistado muitos fãs e amigos em todos os lugares em que tem se apresentado. Confira toda essa energia ao vivo e saiba porque.


Frank Solari
Frank Solari nasceu no dia 25 de março de 1972, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Em 1978, começou seus estudos com aulas particulares de piano. Ingressou no Curso de Extensão Musical da UFRGS em 1981. Em 1985, Frank Solari concluiu o Curso de Extensão em Piano Clássico e Teoria Musical da UFRGS. Após passar por este conhecimento clássico e teórico, iniciou de forma autodidata o estudo da guitarra elétrica. Posteriormente buscou informação técnica ouvindo todos os estilos musicais.


Gustavo Guerra
Durante o London International Music Show 2008 (Inglaterra), um brasileiro chegou ao topo mundial. O curitibano Gustavo Guerra deixou para trás mais de 700 concorrentes – incluindo alguns conterrâneos – e foi anunciado vencedor do disputado Guitar Idol. A competição aconteceu pela internet e o brasileiro teve mais de 5.000 mil votos.
“Vencer o Guitar Idol é o reconhecimento por duas décadas de trabalho árduo e muita dedicação”, avaliou Gustavo. O brasileiro gravará um CD pela Lion Music, que terá a presença dos 12 finalistas. Ele ainda abocanhou uma guitarra Paul Reed Smith, um amplificador Peavey Valve Amplifier e pedais da Roland/Boss. Além disso, Gustavo Guerra também participará de workshops promovidos pela The Guitar Institute e pela Rockschool.
Nos últimos anos, Gustavo Guerra tem chamado a atenção como uma espécie de fenômeno. Seus vídeos postados no YouTube atingiram a expressiva marca de mais de cinco milhões de acessos.


Hudson Cadorini
Hudson Cadorini Silva (Cássia dos Coqueiros, SP, 16 de agosto de 1972), mais conhecido como Hudson Cadorini ou Hudson, é um guitarrista brasileiro de rock e música sertaneja, que forma com o irmão Edson a dupla sertaneja Edson e Hudson.
Quando mais novo, Hudson cantava com o irmão em locais como praças públicas, bares, rodeios e bailes. Ambos utilizavam o nome Pep e Pupi, tornando-se mais tarde os irmãos Edson e Hudson. Os irmãos eram de família circense, e adquiriram muitas experiências no circo, que os ajudaram a fortalecer a união e mostrar a força e potencial que tinham para a música. A fusão da voz de Edson com a guitarra de Hudson fez com que a dupla se tornasse uma das mais queridas do Brasil, agradando a pessoas de todas as idades. Com 11 CDs e 4 DVDs lançados, a dupla se diferencia devido à guitarra de Hudson, que leva ao som da dupla características vindas do rock e do hard rock, junto à influência da música country.
Os irmãos anunciaram recentemente a separação da dupla, com um último álbum a ser gravado ao vivo no dia 31 de Dezembro de 2009.



Hugo Mariutti
Hugo Mariutti Pereira, São Paulo, 18 de dezembro de 1975. Em 2000, após a divisão do Angra por motivos de desentendimento, André Matos, Luis Mariutti e Ricardo Confessori formam a banda Shaman. Na época sem guitarrista, Luís chama seu irmão Hugo Mariutti que incorporar-se à banda. Com a banda finalmente completa, o Shaman trabalhou para tornar-se conhecido e marcar seu nome, iniciando com uma turnê de estréia que passou pela Europa e América Latina.
A temática da banda é focada principalmente no xamanismo, de onde surgiu o nome Shaman. Mesclando heavy metal tradicional, música erudita e ritmos regionais, se deu início às gravações do primeiro álbum, "Ritual", lançado em 2002. Em 2003, a banda gravou um show em São Paulo para um DVD, Chamado "Ritualive".
Atualmente Hugo toca na banda de Andre Matos, junto com Luis Mariutti (com quem também toca no Henceforth), Fabio Ribeiro (com quem formou a banda Remove Silence), Elóy Casagrande e Andre Hernandez.


Joe Moghrabi
Na área de composição Joe participou intensamente. No CD do Bipin´ (Quatro Elementos), seis das nove músicas são de autoria de Joe e no CD do Voga (A Lobby of Notes), dez das doze músicas são do guitarrista Joe Moghrabi e, estão para sair mais dois CDs com composições de Joe em sua maioria: O CD do Freio de Mão (Joe, Alaor Neves e Celso Pixinga) e o CD de Alaor Neves que além da maioria das composições teve a produção de Joe.
Atualmente Joe está se dedicando ao um projeto solo e, as apresentações podem ser feitas em duas versões: Trio, com bateria e Baixo e quarteto, com bateria, baixo e teclado. As músicas podem ser conferidas através de downloads gratuitos (MP3) e o preço dos shows varia conforme a versão e distância dos mesmos.
Joe Moghrabi está lecionando há mais de 23 anos. “Fazer parte da evolução de novos talentos é uma segunda arte”. A didática de Joe tem alto teor de soluções práticas em suas metodologias: Joe Guitar Pró para iniciantes e Guitar Secrets para iniciados, ou seja, se o aluno tem como objetivo tocar, não faltarão assuntos... Da técnica ao repertório.
Já visitou todas as regiões do Brasil com seus workshops e máster classes. Estes workshops (diferentes das clínicas e master classes) têm a apresentação de temas que enfocam o resultado final de toda a dedicação de Joe em relação à música. A música profissional para um instrumentista que não visa a área de side man (acompanhar cantores ou bandas) não tem “praia”; tem sotaque, personalidade, bagagem e atitude, ou melhor, o impacto pode agredir o ouvinte independente do estilo e número de notas que o músico está tocando. E esta musicalização da didática pode ser comprovada nos eventos de Joe Moghrabi.



Juninho Afram
Nascido em São Paulo, desde adolescente Juninho Afram envolveu-se com música, estudando próximo à sua casa em um conservatório de violão clássico aos treze anos. Porém, uns poucos anos depois, deu preferência à guitarra elétrica, por influência de bandas como Pink Floyd e do rock dos anos 70 e 80. O início do aprendizado na guitarra elétrica foi um período de dificuldades para ele, tanto pelo alto preço dos instrumentos e acessórios, quanto pela escassez de material didático.
Aos quatorze anos ganhou sua primeira guitarra, e começou a tocar com amigos da vizinhança. Aos quinze anos começou a tocar na Igreja Cristo Salva, com uma banda chamada Estação Céu, sendo essa uma época onde pôde desenvolver suas habilidades músicais. Naquela mesma igreja conhece Walter Lopes e Wagner García, e, posteriormente, com eles forma a banda Oficina G3. Logo também ingressaram na banda Luciano Manga e Túlio Régis. Juninho Afram era guitarrista da banda, assumindo apenas esporadicamente os vocais em algumas músicas (como Perfeita União e Espelhos Mágicos).
Durante os anos vários membros saíram da banda e vários outros entraram; dentre os que entraram estão Duca Tambasco (em 1994), Jean Carllos (em 1995) e Mauro Henrique (em 2008), os quais são os membros que compõem a formação atual do Oficina G3. Após a saída de PG, vocalista da banda entre 1998 e 2003, o grupo decidiu entre si colocar Juninho Afram nos vocais. Passados cinco anos de sucessos e duas indicações ao Grammy Latino Grammy Latino[3], Juninho deixa o posto de vocalista principal da banda no final de 2008, quando o grupo recebeu um novo integrante para exercer tal função, o até então professor de música e produtor musical Mauro Henrique.
Aos 22 anos, estudou guitarra junto com Kiko Loureiro (guitarrista da banda Angra). Estudou canto lírico, na Universidade Livre de Música, por dois anos e meio, e também guitarra, com Mozart Mello, no IG&T (Instituto de Guitarra e Tecnologia). Hoje Juninho é um dos endorsers da conceituada marca de guitarras Tagima, sendo o único guitarrista a ter dois modelos exclusivos de sua assinatura, a JA e a Arrow. Também pela Tagima foi lançada uma linha de violões elétricos com sua assinatura. É endorser das cordas NIG há vários anos (possui uma linha de cordas com seu nome). Tem também como patrocinadores Maverick amplificadores e Landscape pedaleiras Pedalboard. E a grande marca de equipamentos da BOSS convidou o guitarrista para ser garoto propaganda de uma linha afinadores cromáticos.



Kiko Loureiro
Por dois anos seu professor, Pedro Bueno, ensinou-lhe os primeiros acordes e peças de violão. Adolescente roqueiro, quis aprender a tocar guitarra. Ganhou sua primeira guitarra aos treze anos, uma Giannini modelo SG preta, e um amplificador cubo também Giannini. Foi então aprender os solos e riffs que ele tanto desejava, de guitarristas como Eddie Van Halen, Jimmy Page, Jimi Hendrix, Randy Rhoads, entre outros. Aos dezesseis anos, já levando bem a sério o estudo da guitarra, foi estudar no antigo IG&T e lá teve a oportunidade de conhecer o guitarrista Mozart Mello, com o qual estudou durante cinco anos.
Foi neste período que começou a tocar profissionalmente nas casas noturnas de São Paulo. Sua primeira banda nesta época foi o Legalize (com Edu Mello nos vocais, Dennis Belik no baixo e Alja na bateria). Posteriormente tocou com a banda A Chave, participando também no projeto do tecladista Fábio Ribeiro, o Blesqui Zátsaz. Também nesta fase, ele conheceu Seizi Tagima, quando levou sua Ibanez, guitarra posterior à Giannini, para regular, e assim visitou o atelier deste famoso luthier. Depois deste encontro, Kiko e Seizi desenvolveram uma guitarra que veio a ser o protótipo da Tagima Zero e substituiu sua Ibanez. Ele utilizou tanto seu protótipo quanto as Tagima Zero por muitos anos e recentemente desenvolveu dois novos modelos, a Tagima K1 e a Tagima K2.
Aos dezenove anos foi convidado para entrar no recém-formado Angra. A partir daí sua história se confunde com a história desta banda. Teve de se dedicar por tempo integral ao Angra, pois os resultados perante crítica e público desde a primeira demo, de 1992, foram surpreendentes.
Em março de 1993 Kiko grava sua vídeo-aula pela produtora MPO, e logo em junho viaja à Alemanha para gravação do primeiro CD do Angra, intitulado Angels Cry. O Angels Cry, em sua estréia, obteve grande repercussão, principalmente no Japão, onde alcançou disco de ouro.
Várias empresas associaram suas marcas a seu nome, principalmente as guitarras Tagima, com as quais ele gravou todos os álbuns do Angra e o acompanharam mundo afora por diversas turnês e workshops. Outra empresa de guitarra, a japonesa Stafford, criou um modelo-assinatura de Kiko Loureiro, porém de venda exclusiva no Japão.
Ele foi colunista durante um ano e capa por duas vezes da revista japonesa Young Guitar, colunista e capa das revistas Guitar & Bass e Cover Guitarra e teve uma matéria publicada na Guitar Player americana em outubro de 2007, dentre outras publicações.
No início de 2006, Kiko Loureiro foi eleito pela revista japonesa Burnn! o melhor guitarrista do mundo Também foi chamado para fazer uma participação no álbum da cantora finlandesa Tarja Turunen e participou da turnê pela a América Latina junto com ela. Recentemente ele participou da NAMM 2009, uma das maiores feiras musicais do mundo. Se apresentou ao lado de renomados músicos como Victor Wooten, John DeServio (black label society), Ritchie Kotzen, Eddie Jackson (Queensryche), Joe Satriani, Mike Terrana(esse já gravou com Kiko Loureiro 2 albums do próprio), Doug Wimbish (Madonna, living Colour, Mick Jagger) e Neil Smith (Alice Cooper). Ja havia participado da NAMM 2008 antes. Ja tocou em diversos progamas de TV, inclusive na Rede Globo (Jô Soares e Altas Horas), na Record, Espn Brasil, entre outras. Recentemente recebeu uma proposta para abrir alguns shows do Iron Maiden, mas não pode ir devido aos shows já agendados com o Angra.


Marcos de Ros
Marcos De Ros Iniciou sua carreira aos 9 anos, copiando alguns acordes e melodias no violão.. Em 85, com 14 anos, já fazia shows com sua primeira banda de rock, o GARGANTHUAE, e em 88 tocava em várias bandas, desde jazz-fusion até thrash-metal. Nesta mesma época começou a ter aulas de violino. No ano seguinte foi admitido como violinista na Orquestra Sinfônica de Caxias do Sul. Em 91, com 20 anos, formou o power trio DE ROS, com o baterista Sandro Stecanela e o baixista Fábio Alves. Com esta formação, a banda gravou algumas demos e fez vários shows na região e no centro do país.
No ano de 92 foi contratado como músico de estúdio para gravar o disco Radicci, lançado pelo selo Official Bootlegs. Em 94 lançou seu primeiro disco com a banda DE ROS, o LP independente AD DEI GLORIAM, que em 96 foi relançado em formato CD, e conseguiu uma ótima repercussão, tanto em termos de público quanto de critica. No começo de 97 gravou UNIVERSE, pelo selo Megahard Records, um CD com mais peso e músicas que refletem um grande amadurecimento, além de algumas surpresas como o uso mais acentuado de teclados, a cargo de Éder, a participação de uma cantora, Franciele, que faz uma vocalização belíssima em Eternal Life e algumas passagens acústicas, como Para- Bhakti, que trazem à tona um estilo diferente e muito musical. No ano de 1999 lançou o seu terceiro CD instrumental, MASTERPIECES. Este CD é na verdade uma idéia inovadora, pois se trata de uma releitura de músicas eruditas de compositores consagrados, como Mozart, Bach, Villa-lobos e Paganini, entre outros.
Difícil explicar o tipo de emoção que a audição deste CD desperta no ouvinte, uma vez que além de contar com a colaboração de excelentes músicos e com uma intensa pesquisa de arranjos e timbres no estúdio, Marcos De Ros ainda foi muito feliz na escolha do repertório, sabendo dosar o lirismo da \\\'Ave Maria\\\' com a força do \\\'O Vôo do Besouro\\\'; a sutileza da \\\'Meditação de Thais\\\' ao virtuosismo do \\\'Capricho 17\\\'. Em 2000 o guitarrista junto à sua banda, o AKASHIC, realizou uma extensa turnê na Europa, tocando Em Portugal, Espanha, França, Suíça, Bélgica e Holanda, fazendo vários shows e workshops nestes paises.
Esta turnê culminou com a gravação do CD TIMELESS REALM, lançado em outubro do mesmo ano no Brasil, pela Hellion Records, CD este que angariou uma verdadeira legião de fãs em todo o Brasil, gravado em Portugal com a produção de Luis Barros.
No ano seguinte, o musico trabalhou intensamente em workshops e participou de alguns projetos de artista locais e também do Terceiro festival internacional de Violão Erudito de Caxias, sendo o único professor palestrante a tocar guitarra elétrica no festival. Também participou das coletâneas Hellion Collection vol. 3 e Guitarapalooza. O ano de 2002 foi marcado pelo intenso número de ensaios, na pré-produção do novo álbum do AKASHIC, além do lançamento do primeiro CD-Rom instrucional feito por um guitarrista brasileiro, o ADVANCED GUITAR TECHNIQUES, que foi lançado com exclusividade pelo site norte-americano Chops From Hell.
No mesmo ano o guitarrista participou como convidado do CD do guitarrista Português Paulo Barros. No inicio de 2003, o AKASHIC gravou seu novo CD, - A BRAND NEW DAY, que novamente contou com a produção do Português Luis Barros e a masterização de Tommy Newton, CD que está sendo ansiosamente aguardado pelos fãs e pela critica especializada.
No decorrer do mesmo ano participou da coletânea Virtual Guitar Virtuosos, lançada exclusivamente no mercado Tailandês. Em 2004 fez uma extensa turnê pela Argentina, Bolívia e Paraguai ao lado do guitarrista Argentino Pablo Soler, turnê esta chamada de South American Guitar Masters e participou do CD Shawn Lane Tribute vol II (Lion Records, Finlândia) com uma composição inédita e fez uma participação no CD APPASSIONATO, de Yasu Matsushita (Japão). No mesmo ano gravou Masterpieces 2, CD este que obteve incrível projeção nacional.
No ano de 2005 gravou seu segundo CD Rom, INTENSE PICKING, pelo selo Chops From Hell, e no lançamento nacional o CD do Akashic, tocou na casa de espetáculos paulista Via Funchal ao lado das bandas Pain Of Salvation e Evergrey.
O músico continua com seu projetos de turnê pela américa latina. Também desenvolve um trabalho junto ao acordeonista Oscar Dos Reis que resultará na gravação de um CD no segundo semestre de 2006.
Marcos De Ros já foi citado várias vezes, pela critica especializada e pelos leitores de revistas especializadas (Rock Brigade, Roadie Crew) como um dos melhores guitarristas do Brasil. Fez shows e workshops em vários paises, como Argentina, Bélgica, Bolívia, Espanha, França, Holanda, Paraguai, Portugal e Suíça. É o primeiro guitarrista Brasileiro a lançar um CD-Rom didático no exterior.


Mozart Melo
A partir de 1967 com o grupo Os Selvagens (TV Bandeirantes - programa Mini Guarda). Como solista desde 1988 (a partir da primeira apresentação em São Carlos no Café com Letras). Atividades didáticas: Desde 1977 incluindo várias Escolas e Conservatórios, a coordenação didática do IGT (1988), Workshops, Seminários e Cursos por todo o país, cinco livros, grande número de apostilas (produções independentes), 2 vídeo-aulas (Fusion/Blues) e um vídeo show com Albino Infantozzih.
Colaborou com as revistas: Tok pra quem Toka, Cover Guitarra e Guitar Player (ex-editor técnico). Cursos na Faculdade Carlos Gomes e para alunos da FAAM e Santa Marcelina. Cursos nos Conservatórios Souza Lima, Frutuoso Viana e D. Pedro I e atualmente diretor pedagógico e professor do EM&T (Escola de Música e Tecnologia).
Shows / eventos importantes que participou: Free Jazz Festival 85/86, Festival de Inverno de Campos do Jordão 85/86, Festivais de Jazz de Montreal, Quebec, Otawa todos em 86, Guitar Mix (todas as edições), Festival de Jazz de Cascavel, abertura de dois shows para Frank Gambale etc. Já trabalhou para as marcas: Spanish, Harmonic, Tagima (atualmente), Fernandes, Aria Pro II, Oliver, Meteoro (atualmente), Alvarez, Samick etc.


Nuno Mindelis
Nuno Mindelis nasceu em 07 de agosto de 1957, em Cabinda, Angola (país do Leste da África).Seu interesse pela guitarra começou muito cedo, quando tinha apenas 5 anos de idade e com 9 anos já construia e tocava suas próprias guitarras. Ouvindo Blues desde a infância, sua primeira influência foi de Otis Redding, Booker T & The MG (Steve Cropper, guitarrista da gravadora Stax, Donald ''Duck'' Dunn e Al Jackson).
Mais tarde, unido a um primo mais velho no Canadá, Nuno passou a tocar em uma banda em jams e em clubes locais, permanecendo por lá aproximadamente um ano. Em 1976, após um ano de separação da família, se reuniu a eles em sua casa no Brasil.
Até meados de 1990 nada acontecia, até que uma gravação independente, feita fora do país, começou a ser tocada nas rádios locais. Em 1991 ele foi convidado a gravar seu álbum de estréia em carreira solo: '' Blues & Derivados'', que recebeu muitos elogios da mídia Brasileira.
Em 1992 ele gravou seu segundo álbum solo: '' Long Distance Blues'' da Movieplay Records. Este álbum teve participação de Larry McCray, guitarrista da banda de Gary Moore, e do músico J.J. Milteau, tocando Harpa. Mais uma vez a crítica foi favorável e Nuno foi muito bem recebido pela mídia Brasileira. Nesse ano, paralelamente à excursão promotional do álbum, Nuno participou de um festival de Blues em São Paulo também participaram: Robert Cray, Otis Clay, Ronnie Count, Lonnie Brooks, e Bo Diddley.
A revista americana ''Guitar Player'' citou em 1994 Nuno Mindelis como destaque e finalmente em 1998, Nuno foi reconhecido como o Melhor ''Blues Guitarrist''. Em 1995 Nuno foi convidado tocar no 20o aniversário do Antone's em Austin, no Texas, abrindo para Junior Wells e Guy Forsite, Clarence Gatemouth Brown e Storyville. As manchetes do jornal do Austin Blues anunciavam a chegada de Nuno como ''Fera Sulamericano está vindo!''. Nesse mesmo ano Nuno gravou ''Texas Bound'', com participação de Tommy Shannon & Chris Layton da ritmica do ''Double Trouble'' de Stevie Ray Vaughan.
Em 1999 Nuno lançou ''Blues On The Outside'' e mais uma vez a mídia aplaudiu. Atualmente Nuno Mindelis é considerado pela mídia e pelos fãs como o melhor guitarrista de Blues ''Brasileiro''.


Pepeu Gomes
Considerado pela revista americana Guitar World como um dos dez melhores guitarristas do mundo na categoria "world music", aprendeu a tocar violão ainda cedo em sua cidade natal. Aos onze anos ingressou em uma banda, chamada "Los Gatos" e, aos quatorze anos, participou da banda "Os Minos."
Na década de 70, com Moraes Moreira, Paulinho Boca de Cantor, Luiz Galvão e Baby Consuelo formou o grupo "Novos Baianos". Partiu para a carreira individual com o final do grupo, por volta de 1978.
No final da década de 1980, voltou-se para a música instrumental, participando de festivais de jazz e lançando, em 1989, "Instrumental On The Road".
Nos anos 90 dedicou-se mais a seu trabalho como guitarrista, relendo velhos sucessos como os chorinhos "Brasileirinho" (Waldir Azevedo) e "Noites Cariocas" (Jacob do Bandolim), presentes no início de sua carreira e que fizeram sua fama de virtuose. Também enveredou por um estilo mais pop, com o lançamento de "Meu Coração" em 1999. Pepeu foi casado com Baby Consuelo, com quem teve seis filhos, três das quais formaram o conjunto SNZ - Sarah Sheeva, Nana Shara e Zabelê. Após sua separação, viveu com a então cantora de Axé Music Simone Moreno.
Autor de alguns grandes sucessos de pop romântico, Pepeu entretanto prima pela participação como músico em trabalhos de diversos outros cantores. Apesar disto alguns de seus hits foram bastante executados no Brasil, como "Eu também quero beijar", "Masculino e Feminino" e os temas de telenovelas "A Lua e o Mar" e "Sexy Iemanjá".


Rafael Bittencourt
Rafael Bittencourt nascido em 22 de outubro de 1971 é um compositor, arranjador, orquestrador, multiinstrumentista, produtor musical, professor de música e palestrante brasileiro, além de ex-colunista, bem como de homem de teatro. É o fundador e um dos guitarristas da banda de heavy metal Angra.
Músico de formação majoritariamente clássica e jazzística, iniciou sua educação musical em 1978, aos 7 anos de idade, motivado por seus pais, assistindo a aulas tanto de piano clássico quanto de flauta.
Aos 12, ao assistir, pela primeira vez, Angus Young tocando guitarra em videoclip do AC/DC, decidiu que iria aprender aquele instrumento: comprou seu primeiro violão e começou a ter aulas. Estudando peças musicais da cultura popular brasileira, tomou contato com os acordes jazzísticos da Bossa Nova e seus ritmos típicos.
Cerca de dois anos depois, começou a estudar guitarra elétrica, inclusive dando continuidade ao estudo daquele instrumento nos Estados Unidos, para onde mudou-se em 1988, aos 17 anos. Durante sua vida, Rafael Bittencourt estudou com os alguns dos mais renomados professores de guitarra dentro e fora do Brasil, ente eles, Mozart Mello.
De volta ao Brasil, ingressou na Faculdade de Artes Santa Marcelina, em São Paulo, pela qual graduou-se em Composição e Regência, em 1996.
Fundou sua primeira banda em 1986, aos 15 anos, chamada "Lixo Atômico", e, nessa mesma época, deu-se sua primeira apresentação ao vivo, com uma antiga banda sua, "Detroit", em um festival de metal em Pindamonhangaba. Também já tocou nas bandas brasileiras "Spitfire" e "Kentucky".
Nos Estados Unidos, tocou guitarra em uma big band de jazz (onde recebeu o prêmio Louis Armstrong como o melhor solista, em 1988) e tuba em duas orquestras, além de ter participado de um coral.
No início da década de 1990, durante os anos de faculdade, embriagado pela atmosfera acadêmica, fundou, junto com alguns amigos da universidade, uma banda, que misturava as raízes latinas de seus integrantes com o material erudito. Para tanto, coletou idéias e escreveu peças musicais para o projeto que, mais tarde, seria chamado "Angra".
A banda Angra lançou o primeiro álbum, Angels Cry, em 1993.
Durante sua estada nos Estados Unidos, Rafael Bittencourt tomou parte em diversas atividades do teatro, principalmente a dramaturgia.
Ainda na arte da escrita, mas no Brasil, foi colunista de várias revistas especializadas de guitarra, a saber: "Cover Guitarra" e "Guitar Class", além de colaborador da "Guitar Player".
Como professor de música, lecionou, durante três anos, Linguagem e Estruturação Musical na Escola de Música e Tecnologia - EM&T, assim como Técnica Avançada de Guitarra no Conservatório Souza Lima. Ainda no ramo da educação, ministra workshops em todo o território nacional.
Também é produtor musical, já tendo produzido as bandas brasileiras "Karma" e "HolyFire".



Ricardo Primata
Começou seus estudos musicais aos 11 anos de idade, cursando violão popular. Em seguida, passou a estudar violão erudito no curso de extensão da Universidade Federal. Na pré-adolescência, começou a fazer apresentações em público, tocando violão erudito em aberturas de feiras escolares e tocando guitarra em algumas bandas, até que formou a "ANGKOR", com um estilo peculiar e com composições próprias, que mesclavam o rock à música erudita, flamenca e brasileira.
Depois de freqüentar formações de bandas dos mais variados estilos, em 2002 montou o RITMIA, que em 2004 lançou o 1º CD, com 10 faixas que passeiam por diversos ritmos e com a participação de grandes instrumentistas. A iniciativa de trazer algo novo para os ouvidos das pessoas, rendeu a Ricardo Primata, muitos elogios da crítica especializada de rádio, jornais, sites, dentre outros, como a Revista Guitar Player brasileira, de dezembro de 2004, que publicou uma entrevista feita com ele e afirmou: "Riffs poderosos, solos bem construídos e boas composições são qualidade do guitarrista baiano Ricardo Primata”.
Depois de divulgar bastante o trabalho e ser figurinha carimbada com workshops na Bahia, Primata começava a desenvolver novo material para seus alunos - utilizando apostilas e cd’s de seu método de ensino - e, também, se tornou um dos guitarristas mais requisitados para aulas da cidade. Participou, a partir da mesma época, de workshows, como convidado, de grandes músicos, como do guitarrista Kiko Loureiro (Angra) e do vocalista Edu Falaschi (Almah/Angra).
Em 2005, lançou seu trabalho instrumental, intitulado “VISÕES”, deflagrando temas agradáveis e envolventes, com grande valorização da melodia e certeiros momentos virtuosos. Em 2006, o músico volta aos lançamentos, com o primeiro registro da banda SLOW, pelo selo Maniac Records, o que gerou apresentações memoráveis ao lado de bandas como Angra e Jeff Scott Soto.
Todas estas exposições renderam a Ricardo boas aparições da mídia especializada brasileira, com várias matérias em revistas. Através do seu site: www.ricardoprimata.com.br, mantêm um canal de interatividade com seu público. Seu cast de endorsers hoje conta com as empresas Crafter Guitars, Morley Wah-wah, T. Miranda Custom Effects, Softcase, Groove Strings e Athelier Phnx.
Hoje, Ricardo estuda Composição e Regência na Faculdade de Música da Universidade Federal da Bahia, divulga o trabalho da banda Fonoclama, ministra aulas particulares de guitarra e realiza workshops pelo Brasil. Paralelo a estas atividades desenvolve também o seu trabalho instrumental, o qual acaba de lançar, neste ano de 2009, o disco “ESPELHO DA ALMA”, com 12 faixas instrumentais de rock/metal progressivo salpicadas por elementos da música brasileira – entre outros ingredientes, bastante tempero do nosso Nordeste. Prato cheio para quem gosta da boa música e de performances arrasadoras. O disco conta com a participação do repentista Bule Bule e do mestre da guitarra baiana, Armandinho Macêdo.
Dedicação, esforço e amor à música. Defina-se assim Ricardo Primata. Qualidade, inspiração e respeito aos fãs. Defina-se assim o trabalho deste excelente e talentoso guitarrista brasileiro cuja lavra já mostra que veio para o mercado com música de qualidade.


Robertinho de Recife
Começou a carreira cedo, como guitarrista prodígio e virtuose. Aos 12 anos já se apresentava tocando com os pés. Na sua vida profissional já fez de tudo um pouco: tocou em bandas pop nos Estados Unidos; estudou música sacra no seminário; acompanhou alguns ídolos da Jovem Guarda, como Jerry Adriani e Rosemary.
Tocou blues, jazz e country em transatlânticos que faziam cruzeiros pela costa brasileira; foi músico de estúdio, tocando estilos radicalmente diferentes em discos de Hermeto Pascoal, Cauby Peixoto, Jane Duboc e Os Fevers; tocou música infantil e heavy metal; lançou o disco "Rapsódia Rock", com shows que incluíam uma orquestra e em que se apresentava vestido de Mozart. Atualmente trabalha também como produtor ("Flor da Paraíba", de Elba Ramalho).



Roberto de Carvalho
Roberto de Carvalho nasceu no Rio de Janeiro em 16 de novembro de 1952. Desde a década de 1970 é casado com Rita Lee, com quem mantém uma parceria musical bem sucedida e com quem tem três filhos: Beto, João e Antônio, nascidos em 1977, 1980 e 1982, respectivamente. Toca violão, teclado e ajuda nos vocais.
Participou de uma das formações finais da banda Tutti Frutti. Embora sejam a maioria de suas composições parcerias com Rita Lee, Roberto já trabalhou com nomes como Jorge Mautner, Arnaldo Antunes e Arnaldo Jabor, entre outros. Além disso, em 1991, gravou um CD solo.


Sergio Dias
Sérgio Dias Baptista (São Paulo, 1 de dezembro de 1951) é um guitarrista, cantor e compositor, mais conhecido por seu trabalho com Os Mutantes.
Sérgio começou a tocar violão aos onze anos, seguindo os passos de seu irmão mais velho Cláudio César. Aos treze anos já havia chegado a tal ponto que abandonou os estudos para se dedicar exclusivamente ao instrumento, dando aulas particulares e fazendo parte do conjuto Six Sided Rockers, juntamente com seu irmão mais velho Arnaldo Baptista e Rita Lee com os quais mais tarde formaria a banda Os Mutantes.
Com o fim do grupo em 1978 foi para a Itália, onde recebeu convites para fazer parte das bandas de Eric Burdon e da italiana Area, mas recusou a ambos.
Retornou ao Brasil, onde voltou a trabalhar com nomes como Caetano Veloso e Gilberto Gil. Em 1980 lançou seu primeiro álbum solo, Sérgio Dias, onde se mostrava bastante eclético, indo do funk ao reggae e do rock progressivo ao samba. O fracasso comercial do disco motivou-o a mudar-se para os Estados Unidos, trabalhando como músico de sessão e gravando trilhas sonoras. Em 87 se "arrisca" como ator no filme musical Johnny Love, que também teve músicas de sua autoria.
Continuou lançando seus discos solo durante os anos 90, gravando canções tanto em português quanto em inglês. Atualmente vive em Cotia, São Paulo, onde tem um estúdio de gravação de jingles.



Tiago Della Vega
Guitarrista de técnica e velocidade, o brasileiro Tiago Della Vega é considerado o mais rápido do mundo pelo Guiness Book. O gaúcho de Caxias do Sul entrou oficialmente para o Guinness Book, o livro dos recordes, no dia 7 de maio de 2008. Naquela ocasião ele tocou sem errar a música The Flight of The Bumblebee, de Nikolai Rimsky Korsakov, a inacreditáveis 320 BPM (batidas por minuto).
O recorde de 320 BPM também já não é mais a melhor marca de Tiago, que já subiu essa marca para 370 BPM em um programa japonês gravado neste ano. A marca ainda não foi reconhecida pelo Guinness, mas já está em transito para virar o novo recorde mundial de velocidade com a guitarra.


Tomati
Nascido em São Paulo no dia 05 de outubro de 1966 , Carlos Nascimento (Tomati), começou na música muito cedo, por volta dos 5 anos de idade como autodidata, tirando músicas de ouvido. Teve suas primeiras aulas de violão aos 10 anos com o professor Luiz Antônio Ruiz. Estudou 4 anos na conceituada escola do Zimbo Trio o CLAM (centro livre de aprendizagem musical) com os professores Valdo Luiz, Conrado e Fernando Correa.
Nessa época, Tomati fazia parte de duas bandas a Contra Tempo, que era uma banda formada por alunos do CLAM (jazz e bossa nova), e Jota Paulo e seus Óculos Escuros (pop) formada por um bando de malucos adoráveis. Sofreu influência da música de Milton Nascimento, Elis Regina, Hélio Delmiro, Baden Powel ,Tom Jobim e João Gilberto, e de músicos estrangeiros como Oscar Peterson, Joe Pass, Jeff Beck, Jimi Hendrix, Pat Martino e Pat Metheny. Foi homenageado pelo Zimbo Trio, tendo a oportunidade de tocar com eles em uma das audições da escola no MASP (museu de artes de São Paulo)em 1985.
Ficou um ano estudando sozinho, dando aulas e estudando inglês. Em 1987 Tomati foi para Los Angeles, para estudar no Musicians Institute em Holywood, Califórnia, especificamente no GIT (Guitar Institute of Technology). Estudou com grandes feras como Joe Pass, Don Mock, Joe Diorio, Scott Henderson ,Frank Gambale, Paul Gilbert, Dan Gilbert, Jeff Berlin, Larry Carlton, Gary Willis, Norman Brown, entre outros.
Foi considerado por Don Mock, "UM DOS MAIS FINOS GUITARRISTAS DO ANO". De volta ao brasil em março de 1988,Tomati começou a participar intensamente do cenário musical brasileiro fazendo workshops, gravando varios jingles para comerciais de televisão, deixando sua marca guitarrística em comerciais da C&A,Puma, Shell, M2000, entre outros. Foi convidado a fazer parte da banda TNT (todas na trave),tocando assim ao lado de grandes músicos como Faisca, Alvaro Gonçalves, Celso Pixinga, Maguinho, Pedro Ivo, etc..
Integrou a Jean Luc Ponty Cover Band com o violinista Cassio Poletto. Tocou com Eduardo Araujo, Afonso(do grupo dominó), Mauricio Mattar, Os Incriveis, Marcio Montarroyos, Nico Assumpção, Marcos Resende, Albino Infantozzi, Luiz Avelar, Leo Gandelman e outros. Sua ultima turnê como side man, foi com a cantora Fafá de Belém passando por varias cidades do Brasil, Portugal e África. Produziu um disco para o cantor Supla, uma linguagem diferente misturando musica brasileira, jazz e hard core, apelidada em Los Angeles pelo produtor
Liminha de Bossa Furiosa, que ,infelizmente ,não saiu. Participou do disco de vários artistas e músicos como: Angelica, Fatima Nascimento, Nall, Silas Fernandes, Celso Pixinga, Albino Infantozzi, Mr Motaba, Mila Christy, e vários outros. Paralelamente a todos esse trabalhos, Tomati gravou algumas de suas composições instrumentais com o Sub Solo Trio (disco lançado em vinil, em 1990). O SST, era formado por: Tomati na guitarra, Cuca Teixeira na bateria e Edu Martins no baixo.
Gravou um disco para o projeto Instrumental CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil). Participou do grupo Master Reunion com o saxofonista americano David Richards. Idealizador do projeto Planet Jazz em São Paulo, um espaço para jazz maníacos que teve a presença em 1995, de músicos como, Ernie Wats, Rique Pantoja, Nico Assumpção, Teco Cardoso, Faiska, encerrando com a banda do guitarrista Scott Henderson e do baixista Gary Willis, Tribal Tech. Deu aula dois anos consecutivos no Festival de Inverno de Campos do Jordão (1996 e 97).
Já endossou marcas famosas de amplificadores, guitarras, cabos e cordas, entre elas: Oliver, Meteoro, Giannini, Washburn, Samick, Dean Markley, Godin, Epiphone, Korg, Suhr, Craft, Gibson e Marshall. Possui uma vídeo aula entitulada Guitarra Jazz e Improvisação produzido pela MPO vídeo. Participou do livro Fifteen ,que contem aulas e dicas de 15 guitarristas e acompanha um Cd com uma de suas composições (vide site para partitura e áudio).
Fez uma jam com Harry Conick Jr. Em uma das edições do Free Jazz Festival. Fez uma pequena turnê pela Europa, onde tocou em varias casas noturnas na Holanda e Itália. Tocou no Marants Jazz Festival, no music club Bourbon Street, onde abriu os shows de Take 6 e Jimmy Smith. Em 1998,Tomati foi convidado pelo apresentador multimídia JÔ SOARES, a participar do seu talk show hoje conhecido por PROGRAMA DO JÔ , exibido de seg. a sexta, pela emissora Rede Globo de Televisão.
Ao lado de Jô e seus parceiros no programa de TV, Tomati faz parte do CD histórico da carreira do apresentador, o primeiro em que ele (Jô) se apresenta como musico e cantor JÔ SOARES E O SEXTETO. Em 2000, Tomati lança seu primeiro CD inteiro cantado, pela gravadora Lua Discos. Para inaugurar a nova fase de sua carreira, além de músicas próprias, escolheu canções de Tom Jobim e Carlos Lyra, entre outros. O disco foi produzido por Beto Ruschel, artista multimídia com atuações em televisão, cinema, música e teatro. No CD Nascimento, músicas de Tomati como Carlos, que entre outras referências é uma homenagem a Carlos Santana e foi criada quando o guitarrista mexicano ganhou o prêmio Grammy. Entre as releituras estão Lígia de Tom Jobim, Chove Lá Fora de Tito Madi, Sabe Você de Carlos Lyra & Vinícius de Moraes e um "clássico" da canção italiana, Estate.


Vandré Nascimento
Nascido em 12/06/1975 em São Paulo, iniciou seus estudos em agosto de 1995 no Conservatório musical Souza Lima com os professores: Kiko Loureiro, Kiko Moura, Joe Moghrabi, Michel Leme, e Mozart Mello. Estudou pedagogia com Reinaldo Garrido e improvisação jazz com saxofonista David Richards. Participou de master classes e cursos livres de técnica e improvisação com Steve Morse, Frank Gambale, Scott Henderson, Joe Lovano e Mike Stern.
Fez workshop´s com grandes nomes no Brasil como: Joe Moghrabi, Kiko Loureiro, Lyba Serra, Michel Leme, Mello Jr., Rafael Bittencourt, Felipe Andreoli, Luis e Hugo Mariutti, Ricardo Confessori, Ximba Uchyama, Alaor Neves, Aquiles Priester, Marcos De Ros, Mestre Dinho Gonçalves, entre outros. Participou de festivais de música como o Festvalda, o 1° School Guitar Festival, o projeto escolas no Tom Brasil, sendo finalistas em todos esses; foi campeão do 1° Open Music Berklee/Souza Lima em 1997. Com a banda METRIS abriu shows do ex-Titãs Arnaldo Antunes, participou da Expomusic em 1997 e 1998 nos estandes da Tagima e Music Hall e gravou duas faixas no CD Coletânea do Conservatório Souza Lima.
Em dezembro de 1999 abriram shows internacionais das bandas Primal Fear, DC Cooper e Pink Cream 69 em São Paulo. No mesmo ano foi eleito pela revista Metal Invader o 13° melhor guitarrista de Heavy Metal do mundo e em 2000 eleito o melhor guitarrista de Heavy Metal da América Latina, pelo site oficial da banda Angra. Com a banda Victória participou do FECA, Festival da Canção de Americana, sendo neste campeão e ganhando também prêmios de destaque como melhor guitarrista do festival.
Faz parte do corpo docente do Conservatório Souza Lima desde 1997 na unidade Jardins e foi o 1° professor convidado a fazer parte também na unidade Alphaville em 2002. Alem do curso livre de guitarra, desenvolveu um curso de técnica e improvisação onde fundamentou a aplicação de acordes, escalas, mapeando todo o braço do instrumento, tornando assim o aprendizado fácil e rápido numa linha de raciocínio claro e eficaz. Atualmente além de seu trabalho solo,toca com a banda Remmoto .


Wander Taffo
Wanderley Taffo Júnior, mais conhecido como Wander Taffo (São Paulo, 17 de maio de 1954 — São Paulo, 14 de maio de 2008) foi um guitarrista brasileiro e diretor geral da EM&T (Escola de Música e Tecnologia). Ele tocou com Rita Lee e nas bandas Memphis, Made in Brazil, Secos & Molhados, Gang 90 e as Absurdettes, Joelho de Porco, Rádio Táxi e Banda Taffo.
Com carreira iniciada com a banda Memphis em 1973, Wander fundou a banda Rádio Táxi, que fez muito sucesso com a música "Eva" em 1983. No final dessa década, Wander deixou o grupo e passou a fazer carreira solo, junto com os irmãos Andria e Ivan Busic, lançando o disco Wander Taffo, produzido pelo produtor musical Liminha. Chegou a receber o prêmio Sharp de Música na categoria "Revelação Pop Rock Masculino" por um solo gravado em Los Angeles, em 1989. No ano seguinte, foi eleito melhor guitarrista do Brasil pela crítica especializada. Com Marcelo Souss nos teclados, formou-se a Banda Taffo, que teve sucesso com seu disco Rosa Branca.
Wander participou ainda de diversos discos: Marina Lima, de 1991, Cássia Eller, de 1994, Clássicos, de Guilherme Arantes, de 1994, entre outros. Em 1996, lançou seu terceiro disco solo, Lola, que teve a música "Sempre Junto de Você" na trilha sonora da novela O Amor Está no Ar, da Rede Globo.
Em julho de 1997, Taffo abriu o IG&T (Instituto de Guitarra e Tecnologia). Assim, paralisou seus projetos musicais, dedicando-se exclusivamente ao projeto. A escola, hoje conhecida como Escola de Música & Tecnologia (EM&T), une alta tecnologia a um centro de conveniência nos moldes do GIT de Los Angeles (Estados Unidos), algo inédito na América Latina, de onde é considerada a melhor escola musical. Em apenas um ano de funcionamento, o IG&T atingiu mil matrículas. Já os irmãos Busic hoje estão no Dr. Sin.
Em 2006, Wander voltou com a sua ex-banda Rádio Táxi, que lançou um DVD marcando a volta da banda. Ele planejava ainda a volta da banda Taffo para julho de 2008, mas esse projeto foi interrompido por sua morte. Wander Taffo faleceu na manhã de 14 de maio de 2008 em decorrência de parada cardiorrespiratória. Taffo não tinha histórico de problemas de saúde, segundo sua assessoria de imprensa. Ele tinha trabalhado normalmente no dia anterior e morreu enquanto tomava o café da manhã. Deixou esposa e dois filhos.


Yves Passarel
Yves Passarell é guitarrista da banda de rock nacional Capital Inicial. Nascido no dia 8 de fevereiro de 1969, em São Paulo, começou a tocar incentivado por sua mãe, pianista, que também o influenciou. Aos 14 anos já tocava em festivais de escola e ao lado do irmão, Pit Passarell, fundou o Viper, banda de heavy metal na qual tocou até 1999, participando de importantes festivais no Brasil, Estados Unidos e Europa. Considerado um dos grandes guitarristas de rock do cenário musical brasileiro, Yves, que já era amigo dos integrantes do Capital Inicial, foi convidado no final de 2001 para ser o novo guitarrista da banda brasiliense. Com o Capital, Yves já gravou cinco álbuns: Rosas e Vinho Tinto, Gigante, Aborto Elétrico , Eu Nunca Disse Adeus, e o Multishow Ao vivo. Suas principais influências são os guitarristas Jimi Hendrix e Tony Iommi.
Paralelamente à sua carreira, Yves também escreveu dois livros. O primeiro, Temporada na Estrada, conta a história do Viper pelo mundo por uma ótica diferente. O livro fala muito mais sobre as viagens da banda – suas histórias, baladas e roubadas – do que sobre a própria banda. Inclusive, já foi indicado para Feiras do Livro internacionais, como a de Frankfurt. O segundo, Os Últimos Dias Perfeitos, conta a história de Lucas e sua vida repleta de problemas. Tenso, ele tenta intervir em seu destino. Mas o desfecho dessa trama ficcional é surpreendente e mostra o quão efêmeros podem ser os sonhos do ser humano.


FONTE:http://heavymetalbrasil.net/guitarristasdobrasil.html

_________________


"Bem vinda ao horário nobre, vadia!" - Freddy Krueger

Thiago A.P.
Farrista desafio aceito!
Farrista desafio aceito!

Mensagens: 3053
Data de inscrição: 13/12/2010
Idade: 18
Localização: Somewhere Over the Rainbow...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Mensagem por Thiago A.P. em Dom Fev 05, 2012 5:12 pm

Desta Lista Minhas Grandes influências São Hugo Mariutti e Rafael Bittencourt

_________________


"Bem vinda ao horário nobre, vadia!" - Freddy Krueger

Thiago A.P.
Farrista desafio aceito!
Farrista desafio aceito!

Mensagens: 3053
Data de inscrição: 13/12/2010
Idade: 18
Localização: Somewhere Over the Rainbow...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Mensagem por RamonHaldés(Ex Hal 9000) em Dom Fev 05, 2012 8:20 pm

Boa lista...

RamonHaldés(Ex Hal 9000)
Estou chegando lá
Estou chegando lá

Mensagens: 5184
Data de inscrição: 12/06/2010
Localização: Às vezes em Marte, às vezes no espaço sideral

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Mensagem por Sirius Black em Dom Fev 05, 2012 9:04 pm

1º: Chimbinha.
2º: Tomati do Jô.
3º: Roberto Carvalho (a esposa da Rita)

Sirius Black
Farrista já viciei...
Farrista já viciei...

Mensagens: 4152
Data de inscrição: 10/06/2010
Idade: 102
Localização: Constelação Canis Major

http://twitradio.com.br/SiriusBlack_X

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Mensagem por Thiago A.P. em Dom Fev 05, 2012 9:22 pm

Sirius Black escreveu:1º: Chimbinha.
2º: Tomati do Jô.
3º: Roberto Carvalho (a esposa da Rita)

Chimbinha é Apelação.... Laughing

_________________


"Bem vinda ao horário nobre, vadia!" - Freddy Krueger

Thiago A.P.
Farrista desafio aceito!
Farrista desafio aceito!

Mensagens: 3053
Data de inscrição: 13/12/2010
Idade: 18
Localização: Somewhere Over the Rainbow...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Mensagem por ediv_diVad em Seg Fev 06, 2012 9:29 am

Cadê o Chimbinha e o Kiko do KLB?


_________________

"As massas resistem escandalosamente a esse imperativo da comunicação racional." Jean Baudrillard
"O que há de mais terrível na comunicação é o inconsciente da comunicação." Pierre Bourdieu
“A publicidade se assemelha à Escola e à Igreja pela importância de sua influência social.
Quando ambas perdem sua influência, como não invejar a publicidade?"
Mason Griff

ediv_diVad
Farrista além das fronteiras da sanidade
Farrista além das fronteiras da sanidade

Mensagens: 17587
Data de inscrição: 10/06/2010
Idade: 35
Localização: Curitobas

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Mensagem por Thiago A.P. em Seg Fev 06, 2012 11:14 am

ediv_diVad escreveu:Cadê o Chimbinha e o Kiko do KLB?


Estamos Falando Na Lista de Musicos De Verdade..... Laughing

_________________


"Bem vinda ao horário nobre, vadia!" - Freddy Krueger

Thiago A.P.
Farrista desafio aceito!
Farrista desafio aceito!

Mensagens: 3053
Data de inscrição: 13/12/2010
Idade: 18
Localização: Somewhere Over the Rainbow...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 30 MELHORES GUITARRISTAS DO BRASIL

Mensagem por krwel em Seg Fev 06, 2012 6:02 pm

Armandinho, Pepeu e RR. Todos excelentes!!! Taffo tbm mandou muito bem... RIP

krwel
Farrista das mil e uma noites
Farrista das mil e uma noites

Mensagens: 1056
Data de inscrição: 18/06/2010
Localização: Ilhado no RJ

http://www.webdestaque.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum