Pivô da demissão de Calero do MinC, Geddel era desafeto de Renato Russo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Pivô da demissão de Calero do MinC, Geddel era desafeto de Renato Russo

Mensagem por Questao em Seg Nov 21, 2016 4:51 pm

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Pivô da demissão de Marcelo Calero do Ministério da Cultura, na última sexta-feira, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, estudou com Renato Russo no colégio Marista, em Brasília. E, de acordo com a biografia do vocalista da Legião Urbana escrita por Carlos Marcelo, "O filho da revolução" (Planeta), os dois nunca foram melhores amigos.

Veja também

Capa do livro 'The 42nd St. Band', de Renato RussoEm livro inédito, o adolescente Renato Russo projetou seu futuro no rock
O cantor Renato Russo, da Legião UrbanaRenato Russo é lembrado em livros, discos, musical, exposição, filme e peça
Geddel Vieira Lima e Marcelo CaleroGeddel admite ter conversado com Calero sobre liberação de imóvel, mas nega pressão
Michel Temer e Marcelo CaleroEx-ministro da Cultura, Calero acusa Geddel de pressioná-lo para liberar obra, o que ele nega
"Ele é in-su-por-tá-vel!", dizia Renato, que não queria o futuro político no grupo de um trabalho que faria sobre a História do rock. Segundo o livro, Suíno, como era apelidado Geddel, queria se juntar a Renato e seus amigos pela garantia de notas altas.

Autor do livro, o escritor Carlos Marcelo chegou a procurar por Geddel durante as pesquisas:

— Informalmente, por meio de um colega, Geddel confirmou que conheceu o Renato, mas que não lembrava desses detalhes. Faz sentido, até porque o Renato não falava isso para ele, claro, apenas comentava com os colegas.

LEIA TRECHO DE 'O FILHO DA REVOLUÇÃO'

Rigoroso na hora de selecionar os colegas de grupo, ele (Renato) convida Maria Inês Serra e mais dois ou três felizardos que se mostraram dispostos a executar a tarefa como ele planejaria.Tinha gostado de trabalhar com Inês em uma pesquisa sobre cantigas de roda – esforço alheio representava fator decisivo para a escolha. Deixa claro (a ponto de despertar antipatia e criar fama de chato) que não carregaria ninguém nas costas. Apesar dos pedidos de colegas como Geddel Quadros Vieira Lima para entrar no seu grupo pela garantia de notas altas na avaliação final. Filho do político baiano Afrísio Vieira Lima, o gordinho Geddel era um dos palhaços da turma. Chegava no colégio dirigindo um Opala verde, o que despertava a atenção das meninas e a inveja dos meninos – que davam o troco chamando-o de "Suíno". Tinha sempre uma piada na ponta da língua; as matérias, nem sempre.

— Eu vou ser político!

O jeitão expansivo garantia popularidade entre os colegas, mas não unanimidade. "Ele é in-su-por-tá-vel!", justifica Renato para Maria Inês, dividindo as sílabas de forma enfática, ao sentenciar a proibição da entrada de Geddel em seu grupo.

_________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
"Seu verdadeiro lar está dentro do seu coração e continua com você onde quer que você vá; mas um lugar legal e aconchegante é um motivo maravilhoso para voltar para casa!"
-J.R.R.Tolkien

Questao
Farrista além das fronteiras da sanidade
Farrista além das fronteiras da sanidade

Mensagens : 27044
Data de inscrição : 12/06/2010
Idade : 31

http://www.anovatocadocoelho.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum